Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Vidas Passadas & Reencarnação

Vidas Passadas & Reencarnação

Ataques de Pânico

06.10.14, Projecto Alexandra Solnado

 

 

 

 

 

Hoje vamos falar sobre os Ataques de Pânico, sobre a influência das vidas passadas nos ataques de pânico.

 

Um ataque de pânico é uma sensação de perigo iminente, uma sensação de que se vai morrer, uma sensação de que vai enlouquecer. Pode se ter taquicardia, suores frios, pavor, pânico.

 

É uma situação de violência extrema, porque a pessoa perde completamente o controlo. E isso é extremamente limitativo.

 

Depois do primeiro ataque de pânico as pessoas passam a maior parte do tempo com medo que surja um novo ataque. Como ela não compreende o que se passou - e uma das particularidades do ataque de pânico é vir sem avisar, não tem motivo aparente - a pessoa não sabe o que fazer.

 

Chega uma altura que já não sai à rua, chega uma altura que já não quer estar com pessoas, porque está sempre à espera que venha um novo ataque. Claro que isso dá uma ansiedade tremenda e essa ansiedade às vezes pode ser ela a provocar o ataque de pânico. Passa a ser um círculo vicioso. A pessoa está ansiosa por ter medo de um ataque de pânico, e por estar ansiosa desencadeia o ataque de pânico.

 

Os ataques de pânico, uma grande parte deles, têm a ver com uma memória da hora da morte numa vida passada.

 

Exemplo, uma pessoa noutra vida estava num campo aberto e foi atacada por um animal... e morreu. Nesta vida traz essa memória. Traz essa memória inconsciente de que um campo aberto é perigoso. E o que acontece? De repente nesta vida apanha-se num campo aberto e começa a ter os mesmos sintomas que teve naquela altura quando foi atacada pelo animal, isto é, pavor, medo, taquicardia, tudo igual. É como se fosse um levantar do véu que separa as vidas, o levantar do véu que esconde as vidas passadas e a pessoa parece que está lá outra vez. É como se ela saísse desta realidade e entrasse naquela realidade, provocada por uma similaridade da situação, neste caso.

 

Outro exemplo, uma pessoa que noutra vida - e antigamente acontecia muito isso - foi enterrada viva ou emparedada. Nesta vida, a pessoa está dentro de um elevador, o elevador fecha e a pessoa tem um ataque de pânico. Porquê? Porque nesse momento em que a porta se fecha, levanta-se o véu das vidas passadas. É como se fosse uma abertura de canal de memória, na realidade. Isto é, abre o canal da memória porque a similaridade da situação é grande. Em outra vida foi emparedada. Nesta vida está dentro de um elevador... Solução: ir lá atrás. Perceber que esse pavor não é desta vida, desta vez não vai morrer disso.

 

Mais um exemplo: uma pessoa foi apedrejada em praça pública, as pessoas tinham raiva dela e apedrejavam-na. Nesta vida quando falam mal dela, quando se sente julgada por alguém, por menor que seja a situação, ela pode ter um ataque de pânico. Porquê? Porque precisamente tem a sensação de que vai morrer ali apedrejada. Até ir fazer uma regressão a vidas passadas a pessoa não consegue entender o que aconteceu. Quando vai lá, finalmente põe consciência e percebe, “ah, não é daqui”, “ah, desta vez eu não morro” e é aí que se inicia tudo. Essa consciência faz toda a diferença. Porque a consciência é metade da cura, não é? Por isso essa consciência de que “não é daqui” faz com que a pessoa comece a perceber o que está a acontecer e a acalmar os sintomas e a curar-se. É o início da cura.

 

Claro que tem que se tomar cuidado com quem se faz estas regressões. Porquê? Porque não é só “ir” a vidas passadas. Tem que se limpar a presença dessa energia nesta vida. Toda a regressão tem que ser acompanhada da limpeza espiritual dessa herança kármica. E isso faz toda a diferença na diminuição dos sintomas.

 

Nem sempre é claro o motivo pelo qual uma pessoa tem um ataque de pânico. O importante é fazer a regressão a vidas passadas para poder ver o que aconteceu, para poder sentir o que aconteceu e para por consciência e começar a perceber que não é daqui. E essa consciência de “não é daqui” é que faz com que nós consigamos nos libertar dos sintomas, às vezes tão limitativos. Claro que temos que chorar essa dor, claro que temos que fazer o luto daquela dor porque na realidade aquilo está preso porque não foi feito o luto. Mas depois da consciência e do luto - basicamente limpar karma é pôr consciência e fazer luto -  as coisas começam a acalmar.

 

Hoje falei sobre influência das vidas passadas nos ataques de pânico, posteriormente vou falar sobre outros sintomas.

 

Até já,

 

Alexandra Solnado

 

Saiba mais em www.alexandrasolnado.com

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.